Browse By

Arte expressiva como protesto

Petr Pavlensky é um activista Russo que desafia as normas do governo através do que considera arte e do que os seus opositores consideram loucura. Algumas das suas obras anteriores levaram-no a agir sobre o seu próprio corpo de formas que se apresentam como verdadeiros desafios aos limites humanos. Em 2012 coseu os lábios como protesto a favor da banda punk rock feminista Pussy Riot, da qual três raparigas foram presas após um concerto improvisado e não autorizado na Catedral de Cristo Salvador de Moscovo. Quando Pavlensky apareceu com os lábios cosidos na Catedral de Kazan, em São Petersburgo, a polícia chamou uma ambulância e o artista foi sujeito a exames psiquiátricos, que o diagnosticaram saudável. Em 2013, no Dia da Polícia no seu país, Pavlensky pregou os testículos à calçada em frente ao Mausoléu de Lenin, na Praça Vermelha, em Moscovo. “Um artista nu, a olhar para os seus testículos cravados na calçada, é uma metáfora da apatia, indiferença política, e do fatalismo da sociedade Russa”, afirmou o artista à imprensa. Em 2014 cortou uma parte do lóbulo da orelha, como protesto ao que considera ser o regresso dos métodos soviéticos à Rússia actual. No mesmo ano, vandalizou a ponte Malo-Konyushennyi, no centro de São Petersburgo, em homenagem aos protestos contra o Maidan, um movimento socio-político de apelo à aproximação da Ucrânia com a Europa ocidental.

Pyotr PavlenskyFixation, 2013.

Por mais controversos que sejam os métodos de Pavslensky, a sua linha de pensamento consegue demover muitos dos que consigo contactam, como Pavel Yasman, um dos investigadores responsáveis pela acusação do artista no caso de vandalização da ponte, que acabou por abandonar o caso e por se voluntariar como advogado do activista Russo. O extremismo nas suas performances permite que as mensagens não passem de uma forma simplista. O conteúdo é transmitido, mas a severidade e importância de cada tema é igualmente manifestada.

Hoje em dia podemos dizer claramente que as estruturas de poder convertem as pessoas, de forma sistemática, em borregos que oferecem uma obediência quase animal. Infelizmente, a grande maioria confirma esta teoria e obedece, seguindo o instinto animal do medo”, lamenta Pavslensky. Em declaração à imprensa, o artista ressalva ainda a importância da internet enquanto veículo de transporte de uma outra perspectiva da realidade política e espera que a fluidez de informação seja suficiente para fazer chegar a sua mensagem à sociedade.

*Este texto não segue o novo acordo ortográfico.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *